Warning: file_get_contents(/home/portal06/public_html/_NAAP/wp-content/plugins/themeisle-companion/vendor/codeinwp/themeisle-content-forms/composer.json): failed to open stream: No such file or directory in /home/portal06/public_html/_NAAP/wp-content/plugins/themeisle-companion/vendor/codeinwp/themeisle-content-forms/load.php on line 64

Em avaliação (neuro)psicológica é, cada vez mais, frequente o recurso a testes informatizados. Dentro em breve, estarão disponíveis (validados) em Portugal cinco testes computorizados da bateria cognitiva dos National Institutes of Health (NIH Toolbox-Cognitiva). Em que consiste, para que serve e qual a utilidade e inovação introduzidas por esta nova bateria que será alvo de estudos de validação no NAAP?

 

O que avalia a NIH Toolbox-Cognitiva?

A NIH Toolbox-Cognitiva (NIHTB-C), criada pelos National Institutes of Health (EUA), em 2012, permite avaliar as funções cognitivas ao longo do ciclo de vida, interessando-nos aqui em particular as alterações que ocorrem nas pessoas mais velhas.

A NIHTB-C inclui 5 testes de aptidões fluidas para avaliar a memória de trabalho, velocidade de processamento, memória episódica, atenção e funções executivas (Gershon, Wagster, Hendrie, Fox, Cook, & Nowinski, 2013; Parsons, 2016), em aproximadamente 30 minutos. A versão para iPad surgiu em 2015 e a sua administração não requer ligação à internet. Relativamente à faixa etária dos 60-85 anos, sabe-se que a experiência de utilização de tablets em situação de avaliação (neuro)psicológica cognitiva é considerada agradável pela maioria das pessoas (Zygouris & Tsolaki, 2015).

 

Relevância

Em 2014, 20.3% da população residente em Portugal tinha mais de 65 anos (INE, 2015). Esta tendência de envelhecimento convoca as sociedades para o maior enfoque nas políticas sociais e de saúde, em particular no que respeita à demência. Esta última é um desafio global de saúde, e uma das principais causas de dependência e incapacidade (Prince, Albanese, Guerchet, & Prina, 2014).

Atualmente, na área dos cuidados de saúde, os orçamentos obrigam à redução de custos e ao aumento da eficiência. Assim, surge como necessidade premente a existência de instrumentos de avaliação que permitam:

  1. uma administração breve (minimizando tempo e custos da avaliação, assim como a eventual frustração do avaliado);
  2. obter um desempenho sem efeitos de teto ou chão (com base no controlo do índice de dificuldade dos itens, minorando a eventual motivação reduzida dos sujeitos);
  3. implementar estudos de coorte com custos mais reduzidos;
  4. facilitar a recolha de dados e a partilha dos mesmos entre diferentes investigadores de diversos países;
  5. avaliar o funcionamento do sujeito ao longo de um continuum que abranja a totalidade do constructo medido.

A NIHTB-C preenche todos estes critérios.

Em relação a outros testes computorizados, a NIHTB-C foi desenvolvida com base numa abordagem psicométrica que oferece uma medição mais adequada dos constructos psicológicos (Parsons, 2016): a Teoria de Resposta ao Item. Os testes que a integram são de aplicação breve, os resultados precisos e válidos, e os itens estão calibrados de acordo com a amplitude do constructo medido (Gershon et al., 2013).

Esta bateria inovadora acomoda ainda concepções oriundas dos avanços mais recentes da psicologia cognitiva, da psicometria e da tecnologia da informação (Gershon et al., 2013; Parsons, 2016) viabilizando, dentro de pouco tempo também em Portugal, uma nova abordagem das funções neurocognitivas, que vai ao encontro de melhores práticas de avaliação (e.g. Weintraub et al., 2018; Holdnack et al., 2017; Flores et al 2017).

 

Conclusão

Para a população idosa portuguesa, a NIHTB-C constituirá, um instrumento de medida cognitiva mais fiável e que terá em conta as dificuldades reais dos sujeitos. Nesta base, a NIHTB-C contribuirá para a formulação de diagnósticos mais precisos e para a melhoria das intervenções cognitivas.

 

Autores do artigo:

Catarina Marques-Costa, Mª Salomé Pinho, Mário R. Simões & Gerardo Prieto

Contacto:

marquescosta.cm@gmail.com

 

Bibliografia

Flores, I., Casaletto, K. B., Marquine, M. J., Umlauf, A., Moore, D. J., Mungas, D., … & Heaton, R. K. (2017). Performance of Hispanics and Non-Hispanic Whites on the NIH Toolbox Cognition Battery: the roles of ethnicity and language backgrounds. The Clinical Neuropsychologist, 31(4), 783-797.

Gershon, R. C., Wagster, M. V., Hendrie, H. C., Fox, N. A., Cook, K. F., & Nowinski, C. J. (2013). NIH toolbox for assessment of neurological and behavioral function. Neurology, 80(11 Supplement 3), S2-S6. doi: ​10.​1212/​WNL.​0b013e3182872e5f

Holdnack, J. A., Tulsky, D. S., Brooks, B. L., Slotkin, J., Gershon, R., Heinemann, A. W., & Iverson, G. L. (2017). Interpreting patterns of low scores on the NIH Toolbox Cognition Battery. Archives of Clinical Neuropsychology, 32(5), 574-584.

Instituto Nacional de Estatística, I.P. (2015). Estatísticas Demográficas 2014. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, I.P.

Parsons, T. (2016). Clinical Neuropsychology and Technology: What’s New and How We Can Use It. Zug, Switzerland: Springer International Publishing AG.

Prince, M., Albanese, E. Guerchet, M., & Prina, M. (2014). World Alzheimer Report 2014: The benefits of early diagnosis and intervention. Alzheimer’s Disease International.

Weintraub, S., Carrillo, M. C., Farias, S. T., Goldberg, T. E., Hendrix, J. A., Jaeger, J., … & Sikkes, S. A. (2018, Advance online). Measuring cognition and function in the preclinical stage of Alzheimer’s disease. Alzheimer’s & Dementia: Translational Research & Clinical Interventions. https://doi.org/10.1016/j.trci.2018.01.003

Zygouris, S., & Tsolaki, M. (2015). Computerized Cognitive Testing for Older Adults: A review. American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias, 30(1), 13-28. doi: 10.1177/1533317514522852